pt Português
pt Português
pt Português
07/04/2022
Notícias

Primeira Feira do Pirarucu do ano acontece nesta sexta e sábado com cinco toneladas de peixe à venda na sede da FAS

Valores variam de acordo com a peça. O filé será vendido a R$ 26 o quilo, a manta a R$ 19 o quilo, a ventrecha a R$ 15 o quilo e a carcaça a R$ 7 o quilo.


A primeira edição da Feira do Pirarucu, da Fundação Amazônia Sustentável (FAS), neste ano, acontece nesta sexta-feira e sábado, dias 8 e 9 de abril, das 7h às 13h. Serão comercializadas cinco toneladas de pirarucu manejado, provenientes da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá, localizada no município de Fonte Boa, a 678 km de Manaus. A iniciativa é resultado de uma parceria entre a FAS e a Associação dos Moradores e Usuários da RDS Mamirauá Antônio Martins (Amurman).

Os valores variam de acordo com a peça. O filé será vendido a R$ 26 o quilo, a manta a R$ 19 o quilo, a ventrecha a R$ 15 o quilo e a carcaça a R$ 7 o quilo. A Feira do Pirarucu da FAS será realizada na sede da instituição, situada na rua Álvaro Braga, 351, no Parque 10 de Novembro, Manaus (AM).

“Esta é a primeira feira do pirarucu do ano e é mais uma oportunidade para divulgar o resultado do manejo, realizado em lagos nas Unidades de Conservação (UCs) do Amazonas pelos moradores e usuários. A compra direto do pescador fortalece a cadeia do pirarucu de manejo, incentiva a conservação das UCs e gera renda para os pescadores e suas famílias”, afirma o gerente do Programa Floresta em Pé (PFP) da FAS, Edvaldo Corrêa.

A venda do pirarucu pela FAS tem autorização do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Amazonas (Sema), além do apoio da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror).

Sobre a FAS

A Fundação Amazônia Sustentável (FAS) é uma organização da sociedade civil, fundada em 2008, com sede em Manaus (AM). Atua com a missão de contribuir para a conservação ambiental da Amazônia através da valorização da floresta em pé e sua biodiversidade e da melhoria da qualidade de vida das comunidades ribeirinhas associada à implementação e disseminação do conhecimento sobre desenvolvimento sustentável.