Parceria entre FAS e Ramo Sistemas Digitais resulta na melhoria da gestão de empreendimento comunitário : FAS Amazônia
01/06/2020
Outros

Parceria entre FAS e Ramo Sistemas Digitais resulta na melhoria da gestão de empreendimento comunitário


Sistema de gerenciamento de pequenos negócios foi implantado na Empresa de Base Comunitária do município de Carauari, que tem assessoria da Fundação Amazonas Sustentável (FAS)

A produção ribeirinha sustentável já é uma realidade e tem trazido muitos benefícios para as comunidades do interior do Amazonas. Um exemplo é a Empresa de Base Comunitária (EBC) da comunidade Bauana, localizada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacari, que fica no município de Carauari.
O negócio é liderado por jovens ribeirinhos empreendedores que, com uma ideia na cabeça e um sonho no coração, produzem óleos vegetais no interior. A iniciativa já comercializa para grandes empresas como a Natura e beneficia mais de 32 comunidades. “Menino dos óleos” é um dos empreendimentos incubados na FAS e extraem o óleo de andiroba famoso por seu poderoso ativo natural anti-inflamatório.
Para profissionalizar a gestão, a FAS firmou uma parceria, em 2019, com a Ramos Sistemas Digitais para implantação do SAP Business One na EBC Bauana. O software permite o gerenciamento de negócios e foi criado exclusivamente para pequenas e médias empresas, permitindo a automatização de funções administrativas básicas.
“Antes da implantação do sistema, a EBC Bauana registrava suas informações no caderno ou no excel. Após a implantação do sistema, os empreendedores conseguem visualizar, em um único ambiente digital de gestão, o conjunto de informações do empreendimento”, disse Wildney Mourão, coordenador de Empreendedorismo e Negócios Sustentável da FAS.
Em 2020, a EBC Bauana já produziu mais de três toneladas de óleo de andiroba, quantidade igual a produção total do ano de 2019. A meta este ano é produzir e vender cerca de dez toneladas de óleo de andiroba e cinco toneladas de manteiga de murumuru processado. “A prova de que os conhecimentos tradicionais associados com tecnologia podem ir muito mais longe”, afirmou Wildney.

Texto/Imagem: Debora Holanda