UEA abre Vestibular especial para Comunidade Indígena - FAS Amazônia : FAS Amazônia
21/05/2015
Outros

UEA abre Vestibular especial para Comunidade Indígena


A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) anunciou, nesta quarta-feira (20), a abertura de inscrições para o Vestibular Especial para o Curso Tecnológico em Agroecologia para a Comunidade Indígena de Umariaçu. O concurso Vestibular Especial destina-se exclusivamente aos membros desta comunidade, situada no município de Tabatinga, a 1.105 quilômetros de Manaus. O edital oferece um total de 40 vagas. Em março, a instituição assinou termo de parceria com a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) para cursos voltados a moradores de unidades de conservação.
As inscrições podem ser feitas no período de 25 de maio a 12 de junho no Centro de Estudos Superiores de Tabatinga (Cestb), na Avenida da Amizade, 74, Centro da cidade. As provas serão realizadas nos dias 27 e 28 de junho de 2015, às 8h, no Cestb, e terão a duração de quatro horas. 
O curso Tecnólogo em Agroecologia tem por objetivo preparar o profissional capacitado para atuar na atividade agrícola de pequena escala, principalmente, de grupo familiar, dentro dos princípios da preservação e de manutenção dos recursos naturais. 
Este curso terá a duração de três anos, com início no 2º semestre de 2015 e término previsto para o 1º semestre de 2018. A metodologia a ser utilizada segue o sistema de ensino presencial modular explicitado em seu PPC. O curso funcionará no período diurno.
Inscrições
Só poderão inscrever-se os membros da Comunidade Indígena Umariaçu, que deverão apresentar os seguintes documentos: cópia de documento de identidade; comprovante de conclusão do Ensino Médio; Cópia do Rani e 2 fotos 3×4. 
Comunidades Ribeirinhas
A UEA assinou em março um termo de parceria voltado para educação em comunidades ribeirinhas com a FAS. O termo é voltado a atividades de ensino, pesquisa e extensão em unidades de conservação (UCs) do Amazonas. 
Uma das atividades da cooperação entre a FAS e a UEA será um curso de nível superior para professores ribeirinhos, visando a formação de docentes caboclos. O objetivo é melhorar a qualidade da educação em comunidades ribeirinhas do Amazonas. Outra iniciativa é a realização de um curso técnico voltado para o desenvolvimento sustentável, direcionado a estudantes de comunidades ribeirinhas.