Unidades de Conservação do Amazonas passam por diagnóstico : FAS Amazônia
13/11/2009
Outros

Unidades de Conservação do Amazonas passam por diagnóstico


Por Monick Maciel

Uma parceria entre a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (SDS) deu início, no último dia 4, à aplicação de questionários comunitários em 14 Unidades de Conservação (UC´s) do Amazonas.  O trabalho tem o intuito de gerar um banco de dados unificado e atualizado sobre as comunidades onde o Programa Bolsa Floresta foi implementado. 

“A aplicação do formulário comunitário nos dará uma noção geral sobre o perfil das unidades de conservação do Estado, desde o aspecto socioeconômico das comunidades, geração de renda e produtos trabalhados, assim como se há escolas, posto de saúde, enfim, teremos uma gama de informações”, comenta o coordenador geral do Programa Bolsa Floresta, Francisco Pinto.

Segundo ele, essa parceria também será importante para que a SDS e FAS possam ter um banco com os mesmos dados sobre as unidades de conservação. “Ao solicitar esse trabalho, o objetivo do governador (Eduardo Braga) era ter uma fotografia socioeconômica ambiental das unidades, e com base nisso pensar as próximas ações de governo para atender as demandas dessas unidades”, ressaltou Pinto.

A FAS tem, atualmente, 541 comunidades existentes nas UC´s catalogadas. Com a atualização que está sendo realizada agora, a meta é chegar em cerca de 600 a 620 comunidades. “A intenção é fazer 100% das comunidades”, acrescentou.

A estimativa é que o questionário seja aplicado até o dia 20 de novembro em todas as 14 unidades de conservação estaduais atendidas atualmente pelo Bolsa Floresta. O questionário comunitário possui dezenas de perguntas sobre 19 temas específicos, entre eles: saúde, transporte, aspecto cultural-histórico, lazer e esporte, segurança pública, saneamento básico, energia, educação, política social, transporte, mobilização popular, liderança comunitária, entre outros.

De acordo com o coordenador da FAS na Regional do Madeira, Mauro Cristo, com esse diagnóstico o Ceuc poderá fomentar políticas públicas, dentro do âmbito do Governo do Estado, voltadas para as reservas de desenvolvimento sustentável não atendidas pelo Bolsa Floresta.

“Esse diagnóstico também vai servir como aferimento do trabalho que a FAS realiza. Vamos saber, por exemplo, se aumentou a população das RDS´s desde que iniciamos nosso trabalho em 2008”, justifica Mauro Cristo. Ele lembra que o primeiro questionário da FAS para traçar um perfil dos beneficiários do Bolsa Floresta foi aplicado em julho de 2008.

O questionário comunitário deste ano sofreu algumas alterações para atender especificações solicitadas pelo Ceuc. Toda a equipe de mobilizadores da FAS (colaboradores que trabalham em campo) e os gestores das UC´s, ligados ao Ceuc, estão envolvidos na aplicação dos questionários.