Associativismo é avaliado positivamente pelas lideranças das Unidades de Conservação do Estado do Amazonas : FAS Amazônia
18/11/2011
Outros

Associativismo é avaliado positivamente pelas lideranças das Unidades de Conservação do Estado do Amazonas


Trinta representantes das 15 reservas atendidas pelo Programa Bolsa Floresta (PBF) participaram esta semana do VI Encontro de Lideranças de Associações de UCs, em Manaus. O encontro foi promovido pela FAS – Fundação Amazonas Sustentável com o objetivo de fortalecer a integração entre FAS, Centro Estadual de Unidades de Conservação (CEUC) e as associações comunitárias.

O encontro foi considerado positivo na avaliação dos participantes, pois reforçou a importância das atividades em conjunto – o associativismo, um dos componentes do programa Bolsa Floresta, que estimula a participação dos moradores e líderes das Unidades de Conservação no processo de desenvolvimento das áreas.

Durante os quatro dias de evento, os comunitários discutiram o papel das instituições no gerenciamento das unidades de conservação estaduais e as políticas públicas para a melhoria da qualidade de vida no interior do Amazonas. Na oportunidade, eles participaram do planejamento das ações do Programa Bolsa Floresta (PBF) para 2012.

Encontro teve o associativismo como tema de destaque (Acervo FAS)

Para o presidente das Associações de Democracia, na RDS do Amapá, Edimar Pereira, “a iniciativa tem aproximado as comunidades dos órgãos do Estado”.

“Estarmos juntos aqui tem uma importância muito grande. Para nós que moramos em uma unidade de conservação, ficava complicado tentar uma agenda com esses órgãos. Essa oportunidade da FAS diminuiu essa barreira, os órgãos ficaram mais próximos das associações”, comenta Pereira.

Foram ofertadas ainda palestras voltadas a temas como associativismo comunitário, desenvolvimento da cadeia produtiva no Estado, além da regulamentação e implementação de políticas ambientais em unidades de conservação.

Comunitários participaram ativamente dos debates (Acervo FAS)

Um dos temas de destaque estava voltado aos mecanismos para a inserção de novos sócios para o fortalecimento das associações. De acordo com o presidente da APRAMAD – Associação dos Produtores da RDS do Rio Madeira, o mais importante é a qualidade da participação, com sócios que tenham participação ativa e que estejam dispostos a discutir os problemas e buscar soluções, buscando fortalecimento das associações e a melhoria de vida das pessoas nas reservas.

Para Pedro Loureiro, representante da RDS Rio Negro, o Programa Bolsa Floresta estimula a participação das pessoas para a melhoria da comunidade, servindo como estímulo para a conservação ambiental.

Sobre este ponto, Valcleia acrescenta que a capacitação das associações é muito importante para que eles assumam a responsabilidade de manter seus associados, já que a participação na associação é voluntária.

“Hoje está muito melhor. Antes a gente não se reunia para discutir as dificuldades, hoje a gente sempre se reúne pra conversar, sobre o que a gente vai fazer. A associação tem a sua diretoria, mas todos participam, cobrando para que o combinado sempre aconteça”, comenta Rosângela dos Santos, da RDS do Juma.

A iniciativa contou com a participação de órgãos como CEUC, IPAAM, ITEAM, INCRA, INPA, OCB, Batalhão Ambiental, SEDUC, SUSAM e SEAS.