Discussão sobre avanços e desafios da educação Amazônia deve continuar : FAS Amazônia
26/08/2014
Outros

Discussão sobre avanços e desafios da educação Amazônia deve continuar


O Seminário de Educação do Campo abordou em seus dois dias vários aspectos relacionados à educação no campo, passando por temas como a formação dos professores e a pedagogia utilizada no processo de aprendizagem das crianças do interior do Estado. A iniciativa foi uma parceria da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) com o Fundo das Nações Unidas para a Criança (Unicef), e apoio da Secretaria de Estado e Qualidade de Ensino (Seduc-AM).
No primeiro dia, foi promovido um olhar panorâmico sobre a realidade atual na educação no campo na Amazônia, passando pelo tipo ideal identificado no Projeto Caboclo, de Darcy Ribeiro, quase implementado no país em meados de 1997, e a situação atual da educação indígena e ribeirinha nos planos de educação municipais da Amazônia.
“Se o projeto tivesse sido implementado, o que não ocorreu pela fatalidade do falecimento de Darcy, certamente estaríamos em um patamar a frente na educação no Brasil. O que importa é que com ele muito pode ser aprendido, muito pode ser realizado, para vencermos a utopia de termos uma educação de qualidade na Amazônia”, avaliou o superintendente geral da FAS, Virgílio Viana.
As políticas pUblicas atuais foram avaliadas, quando analisadas seu potencial para o enfrentamento da realidade existente. Segundo pesquisa promovida pelo Programa de Educação e SaUde da FAS, a grande maioria dos 671 alunos avaliados em oito municípios do interior do Estado não apresentavam, aos 13 anos de idade, as habilidades requeridas para serem considerados alfabetizados, o que deveria ter sido consolidado aos oito anos. A pesquisa foi aplicada nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDSs) Rio Negro, Mamirauá, Cujubim, Juma, Uatumã e na Floresta Estadual (Florest) Maués.
“Está claro que é necessária ação voltada para educação em todas as esferas. Esse debate é muito importante porque reUne instituições de vários eixos, para discutirem um desafio que só pode ser vencido de forma conjunta: levar educação de qualidade para as comunidades ribeirinhas da Amazônia”, explicou Marcelo Mazzoli, coordenador nacional de educação do Unicef.
O seminário também serviu para exposição com a apresentação de experiências exitosas de educação na Amazônia. Atualmente, existem experiências positivas de promoção da educação em regiões ribeirinhas, como os sete NUcleos de Conservação e Sustentabilidade (NCSs) da FAS, que levam educação, saUde e empreendedorismo em unidades de conservação (UCs) atendidas pelo PBF.
No Ultimo dia de atividades do seminário, foi promovida uma visita técnica na comunidade do Tumbira, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro. O roteiro incluiu uma visita ao NUcleo de Conservação e Sustentabilidade (NCS) Agnello Uchoa Bittencourt, um espaço de educação que conta com salas de aula, biblioteca, laboratório de informática, posto de saUde e laboratório de inovação tecnológica.
 “Essas reflexões foram todas guardadas, e comporão uma publicação que servirá de orientação para dezenas de prefeitos espalhados pela Amazônia. Estamos criando uma própria agenda para a Amazônia, queremos aproveitar esse espaço para que todos os atores se fortaleçam, queremos que essa utopia se torne uma realidade”, comentou Unai Sacona, representante da Unicef para a Amazônia.
Em dezembro próximo, a ideia é a realizar uma nova edição do seminário, que envolverá lideranças de vários segmentos, incluindo indígenas, extrativistas e quilombolas. O evento deve elaborar propostas para serem apresentadas aos novos governos, que tomam posse em janeiro de 2015.