INPA e FAS desvendam um espaço novo e promissor na produção a partir de matérias primas regionais : FAS Amazônia
17/07/2012
Outros

INPA e FAS desvendam um espaço novo e promissor na produção a partir de matérias primas regionais


A Fundação Amazonas Sustentável (FAS), em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisa na Amazônia (INPA), realizou nesta terça-feira (17), no Auditório D. Lídia Parisotto, Encontro Técnico para debater tecnologias sustentáveis no Estado. Foram apresentados dez projetos voltados ao desenvolvimento aliado à conservação das florestas. A intenção é utilizar as pesquisas desenvolvidas por pesquisadores do INPA em unidades atendidas através do Programa Bolsa Floresta (PBF).

Os projetos apresentados circundam temas como pesca familiar, criação de abelhas, aproveitamento de árvores nativas, combate a endemias e até incentivo ao polo moveleiro, a partir de matérias primas extraídas da floresta.

Um dos programas, a Criação de Matrinxãs em Canais de Igarapés, por exemplo, pretende fomentar a criação de pescado a baixo custo para atender as necessidades das famílias ribeirinhas. Segundo o pesquisador Jorge Daniel Fim, um dos desenvolvedores da iniciativa, a intenção é utilizar os pequenos mananciais das próprias comunidades como ferramentas para o cultivo de peixes, que podem fornecer suprimentos alimentares para os comunitários.

Outro destaque, o â??Projeto Móveis de Galhosâ??, apresentado por Jadir de Souza Rocha, Mestre em Ciências de Tecnologia da Madeira, incentiva o aproveitamento de espécies arbóreas na fabricação de móveis rUsticos. Como matriz, utilizam-se galhos e outros insumos de baixo impacto no ecossistema, que podem inclusive propiciar um fortalecimento de um futuro polo moveleiro sustentável, segundo ele.

O Superintendente Geral da FAS, Virgílio Viana, ressaltou não apenas a necessidade do desenvolvimento tecnológico voltado para a sustentabilidade mas, principalmente, a busca pela aplicação efetiva na melhoria de vida das pessoas. Ele reforçou a necessidade de opinião dos próprios comunitários, beneficiários diretos dos programas que forem selecionados.

“A tecnologia desenvolvida pelo INPA vem sendo aprimorada ao longo dos anos. Queremos aproveitar esse desenvolvimento nas comunidades, com a opinião dos comunitários. São eles que vão apontar, com apoio do Bolsa Floresta, quais projetos serão melhores para suas comunidades.”

A próxima etapa da parceria prevê uma exposição dos trabalhos nas 15 reservas atendidas pela FAS. O objetivo é fazer com que os próprios comunitários avaliem a possibilidade de aplicação na sua localidade.  Esse cronograma tem início no dia 11 de agosto, na Ãrea de Proteção Ambiental (APA) do Rio Negro.