EnglishFrenchPortugueseSpanish

Programa Bolsa Floresta garante empoderamento e renda para mais de 7,7 mil mulheres ribeirinhas

Programa Bolsa Floresta garante empoderamento e renda para mais de 7,7 mil mulheres ribeirinhas
março 7, 2022 forner

Programa Bolsa Floresta garante empoderamento e renda para mais de 7,7 mil mulheres ribeirinhas

Beneficiários têm adesão voluntária vinculada à participação em oficinas de capacitação em mudanças climáticas e serviços ambientais, e não abertura de novas áreas de roçado em florestas nativas.

07/03/2022

O Programa Bolsa Floresta (PBF), executado pela Fundação Amazônia Sustentável (FAS), é uma iniciativa de recompensas por serviços ambientais que beneficia anualmente mais de nove mil famílias moradoras ou usuárias de 16 Unidades de Conservação (UCs) no Amazonas. Entre os beneficiados pelo programa, o destaque vai para as mulheres ribeirinhas, pois aproximadamente 86% dos favorecidos são mulheres chefes de família, aproximadamente 7,7 mil, que têm no benefício uma fonte de renda e empoderamento.

Uma das beneficiárias é a engenheira florestal Kátia Bragança, 50 anos, moradora da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Canumã. Trabalhando atualmente como merendeira, Kátia recebe o Bolsa Floresta desde 2009. O auxílio foi essencial para a sobrevivência dela no período em que esteve desempregada. “O valor que recebo contribui para a minha alimentação. Fiquei seis anos sem trabalhar e este valor era o único valor fixo que eu podia contar todos os meses”, relata.

Kátia destaca ainda a importância do PBF para a conservação ambiental. “Com o programa, os comunitários passaram a ter uma visão melhor sobre a floresta, entendendo que ela gera mais lucro em pé do que derrubada”, disse.

O Programa Bolsa Floresta é uma política pública estadual criada em 2007 pelo governo do Amazonas e tem parceria com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema/Am). Seus beneficiários têm adesão voluntária vinculada à participação em oficinas de capacitação em mudanças climáticas e serviços ambientais, e não abertura de novas áreas de roçado em florestas nativas. A partir de então, eles têm acesso a ações complementares nas áreas de geração de renda, melhoria da infraestrutura comunitária e empoderamento das associações.

Conservação

A professora Maria Lúcia, moradora da comunidade São João na RDS Canumã, é beneficiária do Bolsa Floresta há 13 anos. Ela relembra os impactos que o programa trouxe às comunidades, que passaram a ter uma relação diferente com o meio ambiente. “O benefício contribuiu muito com a vida dos comunitários ribeirinhos. Logo quando foi criado, as pessoas começaram a entender a importância da conservação da Reserva, tiveram a visão de não desmatar, manter a floresta em pé, trabalhar a terra e a agricultura, nas áreas de capoeira para evitar o desmatamento”, relata.

Ela também destaca a importância do programa que, para muitas famílias, é a única fonte de renda fixa. “O Bolsa Floresta ainda contribui com as famílias porque a maioria delas não têm renda própria ou fixa, a maioria é agricultor ou autônomo, e depende do benefício para suprir suas necessidades”, explica.

Renovação

De acordo com a superintendente de Desenvolvimento Sustentável de Comunidades da FAS, Valcléia Solidade, o PBF já chegou ao montante de 61 milhões de reais repassados aos beneficiários. Anualmente, o Bolsa Floresta Familiar investe R$ 600 anualmente por família, depositados no cartão das famílias participantes. A iniciativa integra o Programa Floresta em Pé (PFP) da FAS, que trabalha com geração de renda, empreendedorismo, infraestrutura comunitária e empoderamento de comunidades do Amazonas.

Para Valcléia, que é uma liderança feminina na Amazônia, grande conhecedora do dia a dia nas comunidades e atua na FAS há mais de 13 anos, o programa trouxe uma grande renovação para as Unidades de Conservação, fortalecendo e empoderando as lideranças e associações comunitárias, melhorando a infraestrutura e desenvolvendo as comunidades como um todo.

“As famílias passaram a ter mais perspectivas de futuro e acreditam que é possível viver em suas comunidades com melhor qualidade de vida. A partir das ações desenvolvidas pelo programa, elas passam a ter um novo olhar sobre como potencializar o uso dos recursos que o ambiente oferece de forma adequada, a ter uma relação de parceria com o meio ambiente, compreendendo que é preciso cuidar para garantir um futuro melhor para todos”, afirma a superintendente.

Para saber mais sobre o programa Bolsa Floresta, confira o livro que foi lançado recentemente pela FAS e relata a história, desafios e conquistas da iniciativa. Confira aqui: https://fas-amazonia.org/publicacao/programa-bolsa-floresta/

Sobre a FAS

Fundada em 2008 e com sede em Manaus/AM, a Fundação Amazônia Sustentável (FAS) é uma organização da sociedade civil e sem fins lucrativos que dissemina e implementa conhecimentos sobre desenvolvimento sustentável, contribuindo para a conservação da Amazônia. A instituição atua com projetos voltados para educação, empreendedorismo, turismo sustentável, inovação, saúde e outras áreas prioritárias. Por meio da valorização da floresta em pé e de sua sociobiodiversidade, a FAS desenvolve trabalhos que promovem a melhoria da qualidade de vida de comunidades ribeirinhas, indígenas e periféricas da Amazônia.